Fato ou Fake: 7 mitos sobre a Equipacare

Fato ou Fake: 7 mitos sobre a Equipacare

A Engenharia Clínica é um setor que gera muitas dúvidas sobre o seu campo de atuação, mesmo para os hospitais e profissionais mais capacitados. A Equipacare atua de forma diferente de muitas empresas e este é o seu principal diferencial. Listamos, então, 7 mitos comuns que geram dúvidas sobre a nossa atuação. Confira os fatos e os fakes sobre a Equipacare Engenharia Clínica e Hospitalar!

Leia: Conheça os 8 principais desafios da engenharia hospitalar

Mito 01: A Equipacare vende equipamentos

A Equipacare não vende equipamentos e nem tem parceria com qualquer fabricante. Prestamos consultoria para projeto, aquisição e implantação de equipamentos médicos de maneira imparcial. Nosso maior ativo é a reputação que construímos ao longo de nossa história, entendemos que agir com integridade e transparência é não fazer nada que não possa ser publicado posteriormente.

Mito 02: A equipe de engenharia clínica inicia após a inauguração

Costumamos dizer que “a arquitetura projeta a casca e a Equipacare o recheio” – do alfinete ao foguete, atuando do estetoscópio à ressonância magnética. Iniciamos o planejamento da equipagem junto com o projeto arquitetônico e, desta forma, realizamos importantes contribuições sobre os requisitos de instalação dos aparelhos, evitando retrabalho nos projetos e obra, cumprindo um de nossos compromissos que é gerar economia ao cliente.

Mito 03: A Equipacare compra equipamentos

Durante a fase de gestão das aquisições, nossos consultores especificam, cotam, comparam e negociam todos equipamentos planejados com o cliente. Por gerenciarmos aquisições de mais de 20 empreendimentos ao mesmo tempo, auxiliamos os clientes a obter descontos de escala que um hospital sozinho não conseguiria. Mas esclarecemos que a decisão final ocorre no âmbito médico, apoiada pelos dados da engenharia. Como numa corrida de 10 km, nossos consultores percorrem 9,5 km, facilitando a vida dos Diretores e Médicos, que assumem nos 500 metros finais para cruzar a linha de chegada.

Aproveite para ler também: O paradoxo tecnológico da saúde na gestão hospitalar

Mito 04: A consultoria da Equipacare é limitada ao sudeste

A Equipacare estruturou suas filiais e gerências regionais de modo a atender, em rotas otimizadas, todas as regiões do Brasil. Já atendemos projetos em quase 70 cidades, em 12 estados e em todas as regiões do país. Nossas consultorias envolvem realização de reuniões semanais por videoconferência e visitas mensais do gerente regional para dar todo o suporte ao cliente, do planejamento, passando pela gestão das aquisições e acompanhamento da evolução das obras.

O comissionamento não começa só quando o equipamento chega.

Mito 05: O comissionamento começa na etapa de recebimento

Uma prática equivocada do mercado de construção hospitalar é considerar que o comissionamento da equipagem adquirida se inicia a partir do seu recebimento. Consideram, portanto, as atividades de conferência, cadastramento, instalação e treinamento nos últimos três ou quatro meses da obra, apenas. Contudo, a Equipacare entende que o comissionamento deve ser iniciado alguns meses antes, na fase de pré-instalação e adequação dos sites a partir da entrega dos site plannings e manuais de instalação. Disponibilizamos profissionais dedicados durante, pelo menos, os últimos 6 meses da obra.

Mito 06: Engenharia clínica é (só) manutenção de equipamentos

Muitas empresas do mercado, tratam a Engenharia Clínica como os demais facilities (segurança, limpeza, copa, jardinagem), ou seja, contratos de mão de obra para manutenção. Mas aqui na Equipacare acreditamos que o principal papel da Engenharia Clínica é apoiar a administração na tomada das decisões, atuando de forma estratégica e preventiva. Entendemos que a verdadeira “engenharia” só existe quando o conhecimento técnico é aplicado na inteligência do negócio. Dizemos que não somos mão-de-obra, somos cérebro-de-obra.

Veja também: A importância da manutenção preventiva

Mito 07: A engenharia clínica é um gasto a mais para o hospital

Assessorando compras em escala, a Equipacare garante economias na ordem de 20% a mais do que o Hospital sozinho alcançaria. Atuando de forma estratégica e preventiva no programa de manutenções, evitamos paradas desnecessárias e lucro cessante. Com uma equipe de engenharia clínica bem treinada e dimensionada pelos princípios enxutos, ultrapassamos um nível de resolutividade de 80% das ordens de serviço de manutenção. São fatores que não apenas viabilizam a contratação da Equipacare, como dão retorno ao hospital.

QUER UM ORÇAMENTO? FALE COM OS NOSSOS AGENTES COMERCIAIS!

About Author

Related posts

Dicas para controlar equipamentos de terceiros em seu hospital

Facebook LinkedIn A utilização de equipamentos de terceiros é uma prática presente em todo hospital e, em especial, para aqueles aparelhos que não têm seu uso contínuo e podem ser requisitados conforme agendamento do procedimento ou em caso de contingenciamento (backup). Rodrigo Santos

Read More
ventilador pulmonar Foto: Divulgação/Prefeitura de Santos

Ventilador pulmonar: como escolher?

Facebook LinkedIn A busca por ventilador pulmonar aumentou exponencialmente durante o inicio de pico da pandemia por Covid-19. Estes equipamentos são essenciais ao suporte à vida e para terapias dos distúrbios pulmonares, inclusive aqueles decorrentes do Corona. Os aparelhos, também conhecidos como respiradores, podem manter a vida do paciente...

Read More

Comment ( 1 )

Leave a Reply